Archive for March, 2010

Os Senhores do Areal – um projecto desenvolvido pela Bad Behavior.

March 28, 2010

Conforme o prometido, cá está um projecto nosso que já se encontra em velocidade de cruzeiro. Trata-se de OS SENHORES DO AREAL que será realizado pelo Jorge António. O argumento é uma adaptação do livro homónimo de Henrique Abranches. A produção é da Cinemate.

A história gira em torno de Pedro Mbala, o executivo de uma empresa angolana chamada Constaleiro. Mas a empresa tem um problema: a construção de um mega-empreendimento seu na Baía dos Tigres (uma ilha no sul de Angola) está muito atrasada. Aparentemente os trabalhadores andam a morrer e os que lá continuam, fogem de volta para o continente assim que podem. Pedro Mbala é enviado para a ilha com o objectivo de averiguar o que lá se passa e por toda a obra a funcionar como planeado. Cabe-lhe a ele a tarefa de por aquele empreendimento de volta sobre os carris. Mas aquela ilha de praias maravilhosas já teve outros habitantes. Nos anos cinquenta lá existia uma prisão portuguesa. Hoje, está tudo em ruínas.

Pedro é um homem do mundo acostumado a conseguir tudo o que deseja. Mas ao chegar a Baía dos Tigres, ele irá descobrir que aquele mundo é um pouquiiiiinho mais bizarro, imprevisível, incontrolável, violento e mortal do que ele pensava. E esta descoberta vai lhe custar MUITO.

Cá na Bad Behavior… pá… temos imensa pena do Pedro. Era fixe que o gajo conseguisse o que queria… a sério: gostamos imenso dele. Construímos uma personagem mesmo sensacional.

Mas esta é uma história de horror e o Pedro Mbala nem sonha com o que vai ter que enfrentar.

Cá está uma foto da reperage em Angola. Este é um cemitério INCRÍVEL como ninguém nunca viu… um décor DO CARAÇAS(!) para o qual escrevemos uma cena DO CARAÇAS(!) 🙂

Isto é um cemitério no meio do deserto... (BANG!) Amor à primeira vista!

O livro é lindíssimo, mas a adaptação foi muito complexa… porque nos obrigou a retrabalhar muita coisa. O Cinema é muito diferente da Literatura e a verdadeira dimensão desta realidade nem sempre é compreendida. É como agarrar numa sinfonia e tentar transformá-la em sabores – são universos totalmente distintos. Aliás, neste processo, chegámos à conclusão de que uma das razões pelas quais tantos argumentos adaptados fracassam é porque continuamos a tentar a todo custo ligar duas coisas (cinema e literatura) que não foram feitas para serem ligadas. Pelo contrário, a melhor coisa que podemos fazer pelo livro que queremos adaptar não é adaptá-lo… mas sim REIMAGINÁ-LO noutro universo: o do cinema.

Isto era a Baía dos Tigres em 1940.

E estamos contentes com o resultado. O guião (se fizemos bem as contas) está na 12ª versão de trabalho. O processo todo (até aqui) durou cerca de 18 meses de escrita non-stop. O trabalho com o realizador correu muito bem e a cada nova versão, tínhamos sempre a ideia de que estávamos a nos aproximar mais e mais da versão final – o que resultou num percurso muito construtivo.

...E isto é o que resta.

Agora o guião está finalmente fechado e a pré-produção já pode avançar com mais segurança. Mas é claro que toda a escrita foi acompanhada por trabalho de investigação (reperage, por exemplo) que num certo sentido já é pré-produção. Isto nos dá o conforto de saber que uma boa parte do que está escrito já está verificado na realidade possível e planeado na cabeça de algumas pessoas (o realizador, por exemplo). Como é lógico, a pré-produção que se segue irá desafiar o guião, ou seja, pôr-lhe questões e obstáculos. Mas isto faz parte do processo de fazer um filme e nós estamos prontos para apoiar o produtor e o realizador até o filme estar na lata, a caminho do laboratório. 🙂

Cá na Bad Behavior, temos muitas outras coisas em curso.

O cinema de terror é a nossa paixão. A sério! 🙂

...Até havia um campo de pouso.

Esta é uma Welwitschia mirabilis... uma planta muito estranha. LOL!

Advertisements

Websites e blogs de ENORME interesse para quem curte cinema de terror.

March 23, 2010

Uma das vantagens do cinema de horror é a enorme quantidade de fans que realmente se dedicam a divulgação do género. E fazem-no com uma paixão e um carinho que não encontramos facilmente noutros géneros cinematográficos. Os websites que se seguem são alguns exemplos da energia que muitos de nós põem ao serviço deste cinema tão sensacional.

1 –Shoot for the Head

Trata-se de um site sobre zombies: filmes, trailers, jogos (alguns bem viciantes) e ensaios muito curtos sobre o tema. Brock Cooper, por exemplo, mostra-nos cinco razões pelas quais as nossas vidas seriam melhores se fossemos zombies. Vale à pena ver.

2 – Bloody Disgusting

Este já é um site bastante maduro e conhecido que fala sobre cinema de terror (e não só) em todas as suas vertentes. Esta é uma óptima ferramenta para quem acha que já viu tudo… porque aqui acabamos sempre por encontrar um filme que ainda não vimos.  Bolas!

3 – Kindertrauma

É lamentável que em Portugal, tanta gente ache que o cinema de terror é algo menor (para não dizer pior). Estas pessoas certamente nunca viram o Kindertrauma, onde o terror é visto com todo o respeito e seriedade que ele merece. E mais:  o blog é lindo e concordamos em absoluto com o Unkle Lancifer – “Maybe it’s just beyond the capabilities of mankind to produce a truly faithful film adaptation of Lewis Carroll’s phantasmic nonsense dispenser ALICE IN WONDERLAND“.

4 – HorrorMasters

Tem graça que num post anterior, lamentávamos o facto de haver tão pouca gente em Portugal a escrever literatura de terror. O HorrorMasters mostra como este género é popular na língua inglesa: dezenas e dezenas de histórias de terror para quem quiser ler. Cá está um site onde podemos encontrar coisas geniais. E de borla!

5 – Church of Satan

Uhhhh!!!!!…… Nada a ver com cinema  (acham eles!) mas é um facto que sem eles (ou aquilo que nós pensamos sobre eles), o cinema de terror seria apenas “cinema terrível” e obras como WILD ORCHID (1989) de Zalman King seriam o seu expoente mais alto. Nós lemos todo o conteúdo deste site e ficámos fascinados com a afirmação de que o Homem é uma besta carnal. Não que a afirmação em si traga grande novidade… mas vinda de quem vem (this is the REAL thing!), mete algum respeito (risos). Aliás, ao lermos a argumentação teórica que eles oferecem percebemos rapidamente que 90% de toda a produção ficcional toca estes domínios. Sabe bem viver num universo dividido entre o Bem e o Mal (com todo o cinzento que há pelo meio). Só lamentamos que este site seja tão “1997”. Então não se arranjam webdesigners no Inferno?

6 – All Horror Films

Filmes e mais filmes… com trailers, sinopses e montes de coisas. Tudo lindamente bem organizado para que o visitante possa encontrar o que quiser.

7 – Seventies Horror Films

Aqui trata-se exclusivamente de cinema de terror dos anos 70. A lista não é exaustiva, mas é bastante longa e contém pérolas que há muito já tínhamos esquecido. O cinema de terror dos anos 70 é muito estudado (e ainda bem!) e aqui está uma (boa) fonte rápida de referência.

8 – Upcoming Horror Movies

Uma óptima ferramenta de marketing, antes de mais. Cá está um (quase) directório com uma boa parte de tudo o que está a ser desenvolvido neste momento e que poderá estrear nos próximos anos. Em conjunto com outros sites especializados, este é uma boa fonte que nos ajuda a perceber as tendências futuras do cinema de terror norte-americano.

9 – Monstrous

Muito se pode dizer sobre a nossa sociedade tendo como base os monstros que criamos. Neste website, podemos encontrar informação sobre os mais diversos tipos de monstros e outras figuras fantásticas tão importantes para o cinema de terror (e não só): monstros, demónios, fantasmas, etc. Aqui ficamos a conhecer as origens, mitos, poderes e tudo aquilo que nos pode servir de inspiração e conhecimento.

10 – MOTELx e Fantasporto

O MOTELx é um evento muito especial e deve ser tratado com todo o nosso carinho. Não só trata-se de um festival dedicado ao cinema de terror (mesmo!), como também é óbvio para toda a gente que erguer um espaço destes num país que produz tão poucas obras deste género é um feito. Já estamos curiosos para saber os detalhes da próxima edição. Já o Fantasporto, com 30 anos feitos, dispensa apresentações. Trata-se do festival português com maior projecção internacional. É obra! …E merece mais apoios. São festivais como o Fantasporto e o MOTELx que nos permitem dizer que parece que estamos no bom caminho. 🙂

Há mais 40 websites e blogs que vale à pena ver e descobrir. Estes onze são apenas aqueles de que gostamos mais e que conhecemos melhor. Eles oferecem horas e horas de informação, material de pesquisa, inspiração, Cultura e Arte.

Boa visita!

LOL (parte II)

March 23, 2010

Encontrámos isto na net. (Risos)

Dois bons livros sobre a escrita de ficção de horror.

March 17, 2010

Para quem não sabe, a literatura de horror é um campo muito vasto marcado por autores corajosos que estão constantemente a procura de oferecer algo de novo aos seus leitores. A literatura de língua inglesa sempre foi muito forte neste domínio e nomes como Stephen King apenas são a ponta de um gigante iceberg criativo.

Nos últimos tempos, foram publicados dois livros muito bons sobre a escrita de horror. O primeiro chama-se ON WRITING HORROR (editado por Mort Castle) e inclui um conjunto precioso de textos que chamam a atenção para as preocupações dentro do género: o estilo, os diálogos, a inovação, o desenvolvimento de conceitos… todos temas muito interessantes que DEVEM ser lidos por qualquer pessoa que queira escrever histórias de horror. Aliás, livros como este mostram como este género é rico e como os seus autores são, actualmente, gente singular.

O segundo livro chama-se WRITERS WORKSHOP OF HORROR (editado por Michael Knost) e segue a mesma linha do livro anterior – um conjunto de textos escritos por autores do género. A grande diferença é que enquanto o primeiro livro é mais reflexivo e centrado no trabalho criativo, este segundo é mais técnico, abordando questões mais práticas como a utilização do tom, a construção das cenas, o ritmo da prosa, a construção das surpresas, etc.

Ambas as obras destinam-se claramente ao horror enquanto literatura e apenas tocam o cinema (ou a escrita de argumentos) muito de leve. No entanto, é inegável que grandes autores com grandes ideias e grandes livros podem muitas vezes acabar em grande cinema. Além do mais, o saber não ocupa espaço e qualquer pessoa que como nós adora o género (independentemente de ser cinema ou literatura) irá certamente deliciar-se com este conjunto de assuntos tão suculentos.

Precisamos de mais gente em Portugal a escrever Horror. A língua portuguesa e os milhões de leitores que nela habitam merecem-no!

Que tal começar hoje?

Horror photography by Joshua Hoffine.

March 17, 2010

Joshua Hoffine não é um fotógrafo qualquer. Ao invés de modelos a ostentar vestidos magníficos e maquilhagem perfeita, vemos uma miúda assustada por ver 1000 baratas que parecem ter acabado de sair de dentro da sua querida mamã que jaz morta na cama, com os lábios devorados. Ao invés de um homem afegão (ou nigeriano ou palestiniano) num momento dramático daqueles que figuram nas capas das revistas bem conceituadas, temos uma aranha enorme a caminhar sobre a pele delicada de um bebé.  São coisas assim que este artista gosta de capturar com a sua máquina fotográfica.

São fotografias de horror e Joshua se esforça por registar alguns clichés do nosso referencial imagético de horror de forma exemplar. Vale mesmo à pena dar um salto até o seu website http://www.joshuahoffine.com/ e ver o portfolio. Cada foto mostra um cenário bem reconhecível. Acima e em destaque está uma das nossas favoritas. O Joshua deve ter tido uma infância muito divertida…

As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy.

March 8, 2010

Cá está o nosso exemplar... autografado!

Já se encontra a venda a primeira graphic novel do nosso querido amigo Filipe Melo. Trata-se da muito aguardada AS INCRÍVEIS AVENTURAS DE DOG MENDONÇA E PIZZA BOY. O trabalho gráfico de Juan Cavia é um primor e o texto original tem a assinatura do Filipe Melo e do Pablo Parés. Nós conhecemos bem o projecto na medida em o produtor cá da casa teve a honra e o prazer de trocar inúmeras ideias com o Filipe ainda durante a fase de guião. Assim sendo é óptimo poder abrir este livro e ir vendo como o humor e as situações impagáveis correspondem 100% àquilo que o Filipe sempre quis. Este é um daqueles raros casos em que a visão original do autor está conseguida… e lindamente bem conseguida!

Sabemos que o Filipe trabalhou imenso nesta sua criação e o resultado é magnífico. Ele e a sua equipa estão de parabéns. De parabéns também está a Tinta da China que teve a coragem de investir neste projecto. A Bad Behavior deseja o maior sucesso aos nossos amigos da Pato Profissional… e temos todos agora que exigir do Filipe uma grande sequela! 🙂


%d bloggers like this: