Filme europeu da semana: Hammer House of Horror.

Esta semana trazemos a célebre HAMMER HOUSE OF HORROR, uma série de 13 telefilmes, que estreou 1980. Como é óbvio, o nome indica tudo: trata-se de uma produção da lendária casa britânica Hammer que por esta altura já se encontrava em claro declínio 😦 . Esta série, aliás, foi um dos últimos projectos produzidos antes da produtora entrar num… digamos… sono profundo.

A lógica por detrás do projecto HHH era introduzir o velho espírito dos clássicos da Hammer num contexto mais contemporâneo, especialmente repensado para a televisão. O resultado foi 13 telefilmes, cada um com cerca de uma hora, com um elenco de luxo: Denholm Elliot, Pierce Brosnan, Peter Cushing e muitos outros. Realizadores veteranos da Hammer como Peter Sasdy – realizador de TASTE THE BLOOD OF DRACULA (1970), COUNTESS DRACULA e HANDS OF THE RIPPER (1971) – e Alan Gibson – realizador de THE SATANIC RITES OF DRACULA (1973) e DRACULA A.D. 1972 (1972) – ficaram encarregues de alguns episódios.

Esta senhora simpática cuida de um grupo de crianças muito especial.

HAMMER HOUSE OF HORROR permanece na memória de milhares de amantes do género que um pouco por todo o mundo (a série foi um enorme sucesso, tendo sido vendida em vários países) tiveram o prazer de assistir a treze histórias únicas onde o horror, o suspense e o sobrenatural – tudo à inglesa – se combinam com um enorme bom gosto.

A série está disponível numa belíssima colecção de DVDs muuuito baratinha (desde £9,00!!) na Amazon.uk, sendo esta uma daquelas propostas que não se pode recusar. Alguns episódios possuem títulos deliciosos: THE HOUSE THAT BLED TO DEATH… THE MARK OF SATAN… VISITOR FROM THE GRAVE… THE THIRTEENTH REUNION… GUARDIAN OF THE ABYSS… CHILDREN OF THE FULL MOON… hmmm, já nos apetece revê-los! 🙂

Blood, blood, blood! - We'll take it!

Advertisements

Tags: , , ,

2 Responses to “Filme europeu da semana: Hammer House of Horror.”

  1. António Neves Says:

    Comprei a série há pouco tempo cá em Portugal por apenas €5, o meu episódio favorito foi o com o Peter Cushing, “The Silent Scream, Aquela musica do genérico inicial é inconfundível.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: