Archive for September, 2011

Asus + Flag + Bad Behavior… Em Busca do Incrível.

September 22, 2011

A Asus e a Intel lançaram algo de especial. Trata-se do concurso internacional IN SEARCH OF INCREDIBLE que tem como objectivo seleccionar a melhor história: a mais sensacional, a mais fantástica… bem, vocês perceberam. 🙂

O concurso irá decorrer em 16 países, sendo que numa primeira fase, é necessário encontrar a história que irá representar Portugal. É aqui que entramos. A Asus e a Flag convidaram-nos a ajudar os concorrentes portugueses no desenvolvimento dos seus projectos. E como queremos dar aos nossos jovens criativos todo o apoio possível no desenvolvimento de candidaturas capazes de correr com os outros países 😀 juntámos uma equipa de formadores muito especial nas masterclasses que terão lugar em Outubro.

Se queres participar, dá um salto até http://www.insearchofincredible.com/pt e ficas a conhecer os pormenores deste projecto incrível. Podes também fazer download do PDF EM BUSCA DO INCRÍVEL. Se quiseres saber mais, podes escrever para o mail querosabermais@flag.pt.

Depois encontramo-nos no Festival de Sundance! (ver prémios) 😉 Ah… e o Jason Mraz manda-vos um abraço.

O sucesso do teaser de “[REC]3 Genesis”.

September 21, 2011

Em apenas cinco dias, o primeiro teaser de [REC]3 GENESIS (2011) já foi visto por mais de 140 mil pessoas. O teaser foi disponibilizado no youtube pela Filmax que também revelou o primeiro poster do filme. Se pensarmos no sucesso estrondoso dos primeiros dois filmes, este terceiro está a posicionar-se de forma a não quebrar a regra. Em conjunto, [REC] e [REC]2 já arrecadaram receitas que ultrapassam os 60 milhões de euros (and counting!), tendo sido distribuídos em dezenas de territórios ao longo do globo. Projectos deste género mostram a força que o cinema de terror imprime ao cinema espanhol, afirmando a importância e vitalidade desta cinematografia no cinema mundial.

Mas a importância da série [REC] – independentemente de sermos ou não fãs da série – está também na forma muito cuidada com a qual a Filmax se relaciona com o público. Aliás, basta olharmos para a quantidade de citações que a série vem obtendo na imprensa online especializada em cinema de terror para percebermos que a Filmax conhece muito bem o seu público. O reflexo disto é uma enorme quantidade de “fan-made videos” (teasers e outros vídeos feitos pelos fãs) e “fan-made posters” que se podem encontrar na net. A própria gestão da informação acerca do filme (elenco, plot, screenshots) tem sido exemplar no sentido de manter a série “acesa” na cabeça dos espectadores.

Mas nada disto teria qualquer impacto se os filmes em si não fossem projectos de qualidade, exemplarmente bem produzidos e realizados (esta terceira obra é realizada a solo por Paco Plaza). Há uma ideia errada que circula no nosso país de que a promoção por parte do distribuidor é tudo… e que o segredo para o sucesso (ou a causa do fracasso) está numa boa promoção (ou na sua falta). A promoção de um filme é apenas parte do processo e muito raramente consegue transformar a percepção do público acerca de um mau produto – e os exemplos de fracassos (bem promovidos) são inúmeros. A qualidade do produto é tão ou mais importante do que a capacidade em comunicá-la. Necessitamos SEMPRE de grandes filmes para começar.

Cá está o teaser… e viva o cinema de terror europeu! 🙂

Troy Nixey’s “Latchkey’s Lament”.

September 20, 2011

Segundo reza a lenda, foi com este LATCHKEY’S LAMENT (2007) de Troy Nixey que o jovem realizador do Canadá foi convidado a realizar DON’T BE AFRAID OF THE DARK (2011), projecto escrito e produzido por Guillermo del Toro para a Miramax. O filme conta a história de uma chave apaixonada que luta para encontrar a sua amada (outra chave) nas entranhas de uma criatura sinistra. Não é um filme terror puro e duro – é mais uma fusão de vários elementos – no entanto, possui uma atmosfera e um trabalho de caracterização exemplares. Cá está o filme em duas partes:

Conto do Vento ganha o MOTELx!

September 11, 2011

Parabéns ao Nelson Martins Jordão pelo prémio de melhor curta no  MOTELx com a animação CONTO DO VENTO.

…E a equipa do BANANA MOTHERFUCKER também está de parabéns pela menção honrosa.

Para o ano há mais!

Encontramo-nos no MOTELx!

September 6, 2011

Está prestes a começar a quinta edição do Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa… que todos conhecemos pelo nome de MOTELx :-). E começa já nesta Quarta-feira, dia 07 de Setembro. Até o dia 11 poderemos ver algumas das obras mais interessantes do cinema de terror contemporâneo.

O MOTELx tem tido um percurso ímpar ao longo destes cinco anos e o seu contributo para a divulgação do cinema de terror em Portugal não tem paralelo.

Pelas salas do cinema São Jorge já passaram figuras incontornáveis do cinema de terror. O último foi o George A. Romero. Neste ano teremos o prazer de conhecer o Eli Roth com uma retrospectiva da sua obra. Mas para além de um conjunto magnífico de filmes seleccionados, o MOTELx também traz mais uma edição do concurso de curtas nacionais.

Banana Motherfucker (2011) de Pedro Florêncio e Fernando Alle.

A Cabra (2011) de Carlos Pedro Santana.

Conto do Vento (2010) de Cláudio Jordão e Nelson Martins.

Desassossego (2010) de Lorenzo Degl’Innocenti.

Ensinamentos para a Vida Adulta (2010) de Ernesto Bacalhau.

Feliz Aniversário (2011) de Jorge Cramez.

Haikai Diamante (2011) de André da Conceição Francioli.

Linhas de Sangue (2011) de Manuel Pureza e Sérgio Graciano.

Os Milionários (2011) de Mário Gajo de Carvalho.

Miss Mishima (2011) de Pedro Rocha.

Sombras (2010) de Nuno Dias.

A Tua Última Morada (2010) de Joel Rodrigues e André Agostinho.

Para ver os trailers dos filmes que estarão em exibição o MOTELx organizou tudo de forma muito conveniente no seu canal MOTELx do YouTube… nice! 🙂

Ah, e já íamos esquecendo: no último dia (11 de Setembro) estaremos numa discussão sobre cinema de terror português com um conjunto de pessoas magníficas como o Filipe Melo, o Fernando Alle, o João Alves e mais pessoas.

Encontramo-nos no MOTELx! 🙂

Filme europeu da semana: Otesánek.

September 3, 2011

OTESÁNEK (2000) de Jan Švankmajer é também conhecido pelo título internacional LITTLE OTIK. Trata-se da incrível história do casal Horáková que vive na tristeza, pois são incapazes de gerar um filho. Um dia, ao desenterrar uma velha árvore, o marido nota que a raiz se parece com o corpo de um bebé. Decide oferecê-la à sua mulher na esperança de atenuar-lhe o sofrimento. Mas a Sra. Horáková apaixona-se pela “criança” de tal forma que toda a vida do casal passa a girar em torno da ilusão de que aquele pedaço de madeira está mesmo vivo.

A histeria do casal assume proporções imprevisíveis… e o pequeno Otik cresce a cada dia que passa, graças ao seu apetite voraz e incontrolável. No princípio era um inocente pedaço de madeira que mamava o seio da mãe. Depois passou a devorar papas e litros de leite. Depois devorou o gato da família… depois… 🙂

A história é contada através de Alzbetka, uma miúda de 12 anos que vive com os pais (vizinhos do casal Horáková). Alzbetka é uma rapariga inteligente que começa a suspeitar da loucura do casal e descobre os horrores praticados pelo pequeno Otik.

OTESÁNEK é uma das obras mais inesquecíveis de Jan Švankmajer e merece ser descoberto. Mais um grande momento do cinema de terror europeu.

Mestres do cinema de terror europeu V: Jan Švankmajer.

September 2, 2011

A obra do checo Jan Švankmajer é pouco conhecida do grande público. Isto deve-se (em parte) ao facto dos soviéticos o terem proibido de filmar e banido boa parte das suas obras durante muito tempo. Mas não nos enganemos: quando o Guardian pediu ao Terry Gilliam que enumerasse dez dos melhores trabalhos do cinema de animação, lá estava um dos seus filmes: o grande DIMENSIONS OF DIALOGUE (1983).

Mas chamá-lo de mestre do cinema de terror é pouco para este senhor que é surrealista, animador, encenador, artista plástico e muitas outras coisas. E se quisermos ser inteiramente honestos, (risos) Jan Švankmajer está pouco interessado no género. Aquilo do qual ele gosta é de contar histórias incríveis que somente alguém com o seu talento é capaz de contar.

FAUST (1994)

Tomemos como exemplo o seu filme ALICE (1988) – cujo título original é NĚCO Z ALENKY. Insatisfeito com todas as adaptações para o cinema da obra de Lewis Carroll, Jan Svankmajer decide fazer a sua, onde o Coelho Branco é um coelho empalhado que “acorda”, retira os pregos que lhe prendem as patas e parte a caixa de vidro onde foi exposto. Parece horrível? Pois… mais do que um mestre no cinema de terror, Jan Svankmajer é um mestre no grotesco. ALICE é também um triunfo na combinação do stop motion com imagens de live action.

ALICE (1988)

Já o seu filme LUNACY (2005) – título original: ŠÍLENÍ – consegue a proeza singular de juntar Edgar Allan Poe e o Marquês de Sade… ambos no mesmo filme! Este é um filme desaconselhado a vegetarianos e pessoas sensíveis. Outra obra obrigatória é FAUST (1994) que mistura live action com marionetas e claymation.

Jan Švankmajer é, para nós, um autor especial pela total ausência de medo em lidar com o grotesco, pelo carácter amoral que imprime nas histórias que conta e por juntar (sempre com um total domínio) técnicas, atmosferas e sensações que habitualmente ninguém se atreve a unir. Como resultado, os seus filmes são de difícil encaixe junto do público e sofreram imenso com a censura do Leste. No entanto, a sua influência é visível em autores que conhecemos bem. Exemplo? Tim Burton.

Mas para além das longas-metragens, Jan Švankmajer possui uma quantidade significativa de curtas que merecem ser redescobertas. Entre elas, podemos até encontrar uma adaptação muito curta (15 minutos) do romance THE CASTLE OF OTRANTO (1764) – que é considerado o primeiro romance gótico de sempre. Esta versão curta de Jan Švankmajer chama-se OTRANTSKÝ ZÁMEK (1977).

O seu filme mais recente chama-se PREZÍT SVUJ ZIVOT (TEORIE A PRAXE) (2010).

Os nossos deputados são vampiros?

September 1, 2011

Amanda Rynda é uma fotógrafa de casamentos que recentemente assinou um trabalho magnífico. Ao invés das fotos habituais de pombinhos apaixonados, Juliana e Ben encontraram um zombie no meio da sessão fotográfica. As fotos mostram como o casal resolveu a situação: à pazada. E no fim, viveram felizes para sempre. A galeria de Amanda Rynda pode ser consultada aqui: www.amandarynda.com. Este deve ser dos poucos casamentos verdadeiramente divertidos.

Achámos a ideia tão original que ficámos a pensar em como a vida seria mais divertida se ao invés das pessoas usarem elas próprias, usassem monstros de filmes de terror. Cá vão alguns exemplos do que estamos a falar:

1 – ASSEMBLÉIA DA REPÚBLICA, AUTARQUIAS E POLÍTICOS EM GERAL.

Não seria uma ideia genial se os deputados e políticos deixassem de lado o fato e a gravata e adoptassem um ar mais condizente? Que tal vampiros? Para além das capas negras serem chiquérrimas, dariam imenso jeito no Inverno, quando chove. Para além disto, as diferentes bancadas poderiam ir buscar inspiração em vampiros diferentes. O cidadão teria uma ideia mais concreta do tipo de vampiro que está a sugar-lhe o sangue.

2 – HOSPITAIS.

Seria muito engraçado se os médicos adoptassem um dress code do tipo HOSTEL, com batas de borracha e máscaras assustadoras. Cá está uma óptima forma de reduzir as listas de espera. Subitamente Portugal seria assolado por uma vaga de gente que nunca se sentiu tão bem.

3 – SERVIÇOS PÚBLICOS, UNIVERSIDADES e afins.

Aqui, toda a gente poderia vestir-se de zombie. Seria uma excelente forma de fazer com que os verdadeiros zombies passassem mais despercebidos.

4 – PORTAGENS NAS AUTO-ESTRADAS.

Os miúdos iam adorar ver monstros com tentáculos nas portagens da Brisa. Estas pessoas vestidas de monstro poderiam estar nas portagens com Via Verde. Nas outras portagens os monstros necessitam das mãos para manipular as moedas e talões. As auto-estradas podiam ter alguns monstros de 15 metros de altura em zonas mais perigosas. Talvez assim os condutores reduzissem a velocidade. Já os condutores alcoolizados teriam mais uma razão para parar de beber.

5 – BANCOS.

It’s the invasion of  THE BODY SNATCHERS!! Somos nós ou há mesmo algo de estranho com as pessoas que trabalham nos bancos? Eles parecem todos gente simpática… parecem ser como nós… explicam tudo direitinho… mas são estranhos. Parecem nossos amigos e nos tratam bem… mas… não sei… são esquisitos. Depois vamos consultar o nosso extracto bancário e aparecem lá umas taxas estranhas que não compreendemos bem… mais um imposto de selo aqui (alguém ainda escreve cartas??)… e uns juros esquisitos acolá. Seria óptimo poder tocar nos pods. É verdade que os bancos estão a tirar o sono a muitos portugueses. Pois… nós bem sabemos o que acontece a quem adormece.

6 – MILITARES E FORÇAS DE SEGURANÇA.

Ao invés dos típicos uniformes, que tal aquela armadura vermelha do BRAM STOKER’S DRACULA? Já ninguém pode com aqueles capacetes da GNR (aqueles com a cabeleira loira-platinada). A Eiko Ishioka certamente faria bem melhor!

7 – LICEUS e COLÉGIOS.

Alguém se lembra do Damien Thorn? Era um miúdo que fazia coisas horríveis. No entanto, o Damien não chegava ao ponto de espancar colegas e fazer upload dos vídeos para ao Youtube (em 1978 não havia destas coisas). Também não espancava professoras indefesas gritando coisas como “dá-me o telemóvel já!!!” (risos). Aliás, o Damien era muito mais simpático: adorava cães e tinha notas excelentes (só com a família, fotógrafos, padres e empregadas domésticas é que as coisas corriam menos bem). Ora, deve haver uma quantidade enorme de alunos que apenas necessitam de um olhar gélido e de um fatinho para ficarem iguais ao Anticristo.

Viva o amor! 🙂

E viva o cinema de terror!


%d bloggers like this: