Música para cinema: o que um produtor deve saber.

Toda a gente sabe o quão importante é a música no cinema. Imaginem a cena do duche em PSYCHO (1960) sem o Bernard Herrmann ou a cena da transformação em AN AMERICAN WEREWOLF IN LONDON (1981) sem o “Blue Moon”. Este post tem como objectivo explicar, em traços muito gerais, um dos aspectos menos discutidos (e mais complexos) da produção cinematográfica: os direitos musicais.

Uma canção nasce do encontro entre duas entidades: um COMPOSITOR e um INTÉRPRETE. Como é lógico, há casos em que o compositor e o intérprete são a mesma pessoa (exemplo: Carole King é a cantora e a compositora do “You’ve Got a Friend”). Noutros casos, compositor e intérprete são entidades totalmente distintas (exemplo: Burt Bacharach e Hal David compuseram “I Say a Little Prayer” para Dionne Warwick cantar). Há ainda casos onde compositor e intérprete apenas coincidem parcialmente (exemplo: “Something”, apesar de interpretado pelos Beatles, foi composto por apenas um deles – George Harrison). Há muitos outros casos possíveis. No entanto, estes são os mais comuns.

Music Rights 1

Isto significa que, desde já, podemos identificar DOIS elementos separados: a COMPOSIÇÃO musical (que vem do trabalho do compositor) e a INTERPRETAÇÃO desta mesma composição. Por exemplo: a composição de Billy Joel “New York State of Mind” foi cantada pelo próprio e ainda por vários outros intérpretes: Barbra Straisand e Carmen McRae – só para citar alguns. No entanto, para uma interpretação poder ser comercializada, ela tem que antes de mais ser GRAVADA. A indústria musical ao longo das décadas tem aperfeiçoado o seu modelo de negócio com base na distribuição e comercialização destas gravações onde compositor (com a sua composição) e o intérprete (com a sua voz e personalidade) ficam fixas, unidas para sempre numa gravação. Esta gravação normalmente possui um nome: o MASTER. Este Master nada mais é do que a gravação feita a partir da qual serão feitas todas as reproduções que serão vendidas (incluídas num CD ou LP, em avulso no iTunes, etc.). Este Master traz uma terceira figura para a equação: o RECORD LABEL. Durante muitos anos, Record Labels como a Motown, Atlantic, CBS, Columbia, Warner, Verve, EMI, Decca e outros acumularam milhares de Masters. Isto acontecia porque na prática, eram os Record Labels que tratavam de tudo em relação àquele Master: o pagamento do estúdio, dos músicos, da promoção, da reprodução dos discos, da distribuição, etc. Em compensação, o Record Label é o dono do Master exercendo boa parte (e aqui há enormes variações) dos poderes sobre o mesmo – entre eles, o licensing, que é o que nos interessa🙂. O intérprete recebe royalties. Quanto menos poderoso for o intérprete, mais poder de decisão sobre o licensing está na mão do Record Label – havendo muitos casos onde o intérprete nem é consultado.

Music Rights 2

É preciso notar duas coisas: PRIMEIRO, o Record Label apenas possui o direito sobre o objecto Master e não sobre a composição. Exemplo: este Master do “Ray of Light” pertence a Warner Bros. – o Record Label que financiou a gravação, o videoclip e a distribuição do álbum inteiro (“Ray of Light”). É por esta razão que os Record Labels acumularam catálogos musicais vastíssimos ao longo do tempo. Quem desejar utilizar esta versão do “Ray of Light” poderá ter de obter o “clearence” destas três entidades: COMPOSITOR (são cinco, incluindo a Madonna), INTÉRPRETE (Madonna) e RECORD LABEL (o dono deste Master específico). SEGUNDO, existem várias configurações destas relações. Há intérpretes (como ESTE) que, com a estatura que atingiram, passaram a ser eles próprios os donos dos seus Masters (cabendo ao Record Label um papel mais limitado). Também há casos de intérpretes e compositores que são eles próprios os donos dos seus record labels. Isto significa que a utilização de uma qualquer canção (por mais insignificante que pareça) num filme implica algum trabalho de investigação com o objectivo de se perceber a quem se deve pedir o quê.

Surge agora uma quarta entidade: o PUBLISHER. O publisher é uma entidade (normalmente uma empresa) que administra e controla EM NOME DO COMPOSITOR tudo aquilo que diz respeito ao objecto COMPOSIÇÃO (letra e música). Quem examinar, por exemplo, a informação que está no booklet do álbum “Abbey Road” dos Beatles verá que algumas canções são “published by Northern Songs” enquanto que outras são “published by Harrisongs”. Ora, Harrisongs foi a empresa fundada pelo compositor George Harrison quando o seu contrato com a Northern Songs expirou. A Northern Songs continuou como Publisher da dupla Lennon/McCartney. Ringo Starr também criou o seu próprio Publisher – Startling Music. O Publisher é a entidade toda-poderosa sobre a composição, cobrando os royalties em nome do compositor, decidindo e controlando o Licensing.

Music Rights 3

Isto significa que existem TRÊS grupos de questões fundamentais que devemos responder quando desejamos utilizar uma gravação num filme:

A) Quem é o compositor e qual é o Publisher responsável por aquela composição?

B) Quem é o intérprete e quem o representa? (Caso ele possua algum poder sobre o Licencing.)

C) Qual o Record Label que detém os direitos sobre aquele Master?

Ao longo do tempo, os grandes Record Labels foram lentamente adquirindo pequenos Publishers. Com o passar das décadas, Record Labels como a Universal Music Group, a Sony Music ou a Warner Music acumularam milhares e milhares de Publishing Companies – o que torna a vida relativamente mais cómoda na medida em que, em inúmeros casos, o mesmo Record Label centraliza as três questões. Por outro lado, ter a vida facilitada sai caro, na medida em que um Record Label raramente cobra barato e o contacto é sempre mais frio.

Para ter uma canção num filme, aquilo de que necessitamos são normalmente duas coisas: o SYNCHRONIZATION LICENSE e o MASTER USE LICENSE. O primeiro é negociado com o Publisher (ou na ausência deste, directamente com o compositor) e confere ao produtor o direito de sincronizar (daí o nome) aquela COMPOSIÇÃO (letra e música) com a imagem em movimento de um filme. O segundo permite-nos utilizar AQUELE MASTER ESPECÍFICO e normalmente deve ser pedido ao Record Label (ou quem seja o seu dono). A diferença entre ambos é simples. Imagine que o realizador deseja utilizar ESTA composição no seu filme. Ora, se for o próprio realizador a interpretar a composição ao piano, então basta obter o SYNCHRONIZATION LICENSE junto do Publisher na medida em que aquilo que se deseja é a apenas a composição e não o Master. Mas…🙂 se o realizador perceber que nenhuma interpretação que ele consegue fazer é tão expressiva quanto a interpretação que existe NESTE Master ou NESTE, então o produtor terá que obter o Master Use License junto do respectivo Record Label. Sairá muito mais caro na medida em que estes Masters são muito famosos – e os Record Labels sabem-no!

Music Rights 4

Sermos nós próprios a interpretar uma composição pode economizar muito dinheiro… mas todos nós sabemos que em muitos casos, o poder evocativo do Master é incontornável. Pensem em filmes como CASINO (1995), PULP FICTION (1994) ou FOREST GUMP (1994) e percebe-se facilmente como o Direitos Musicais conseguem facilmente custar muitos milhões de Euros, ultrapassando em alguns casos entre 10% e 15% do orçamento total de um filme. Aproximadamente um quarto do orçamento DESTE filme foi só para pagar direitos musicais.🙂

Mas para quem não pode mesmo pagar, há inúmeras soluções. A primeira é óbvia: componha ou interprete você mesmo (o melhor que puder). A segunda pode ser interessante: adquira o Master Use License de um cover barato. Há toda uma indústria em torno disto!😛 Imagine que gostaria muito de user ESTE Master… mas não pode pagar pelo preço astronómico que o Record Label pede por ele. Fear not! Tente perceber quanto custa ESTE (certamente muito mais barato). Pois… é horrível, não é? Mas há covers melhores que soam menos a enlatado. Esta é uma das razões pelas quais muitos filmes e séries televisivas utilizam covers como ESTE: porque economizam muito dinheiro e passam como se fossem opção criativa (quando em 99% dos casos, não são). No entanto, há 600 covers (mesmo!) do Skyfall da Adele no Spotify. Com muito tempo, sorte e paciência, pode ser que encontre um que seja quase perfeito e com Master Use License disponível.

Outra opção é, quando possível, utilizar um Master diferente do artista original. Muitos artistas (em específico muitos “one hit wonders” dos anos 50, 60 e 70) fizeram gravações que ficaram célebres – mas cujo Master pertence ao Record Label que hoje exige muito dinheiro pelo respectivo Master Use License. A necessitarem de dinheiro e apostando no valor residual que ainda possuem, muitos destes artistas fizeram novas gravações (novos Masters) mais ou menos semelhantes aos Masters que os tornaram famosos exactamente com o objectivo de servirem de alternativa mais barata para quem deseja a interpretação de um artista sem ter que pagar pelo Master original. O problema é que por vezes as diferenças são bem audíveis… em especial se pensarmos que muitos deles aceitam regravar grandes sucessos do passado, porém sem uma produção com a mesma qualidade. A vantagem para o filme é ter o artista original a preço de fim de carreira. A desvantagem é que pode não ter o mesmo som. Compare ESTA versão deste grande sucesso dos anos 70 com ESTA gravada trinta anos depois. A cantora é a mesma, mas não é o mesmo som. Dependendo do filme isto pode ser um problema ou não. Outra solução é procurar versões de concertos gravados ao vivo. Neste caso, é necessário cuidado porque a) a qualidade da gravação pode não ser muito boa e b) a versão “ao vivo” pode ser muito diferente do Master que 99,99% das pessoas têm na cabeça. Em alguns contextos narrativos, isto não é um problema. Alguns artistas gravaram vários Masters diferentes ao longo dos anos e todos são lindos. São casos raros, mas existem. Eles dão mais opções ao produtor na medida em que podem não custar o mesmo. Comparem ESTE, ESTE e ESTE.

Mas vamos imaginar que necessitamos mesmo de um determinado Master e que estamos mesmo dispostos a pagar por ele. Várias questões serão postas pelo Record Label e pelo Publisher ao produtor cinematográfico. Todas têm a ver com a utilização daquele Master e com repercussão no preço. Aqui vão algumas questões habituais que o produtor DEVE responder com HONESTIDADE:

1 – Quanto tempo da gravação será utilizado? 20 Segundos ou quatro minutos podem não custar o mesmo.

2 – Que acções têm lugar durante a cena em questão? A utilização numa cena em que a protagonista está a ouvir rádio pode não custar o mesmo que uma cena de sexo com consumo de drogas à mistura. Neste último caso, o Record Label pode até negar a licença se achar que aquela utilização influenciará (negativamente) outros possíveis pedidos para futuras utilizações ou simplesmente ferir o espírito da composição. ESTA obra, por exemplo, dificilmente será cedida a uma cena como ESTA. Era giro… mas (risos) não parece realista.

3 – Qual a circulação do projecto? Uma curta-metragem apenas para festivais não é igual a um blockbuster. O grau de exposição (e eventual retorno financeiro) podem pesar no cálculo de um preço. Isto é bom em específico para projectos menores.

4 – Qual o orçamento total destinado aos Direitos Musicais? Quem deseja obter Synchronization Licenses relativos a composições célebres como ESTA ou Master Use Licenses de gravações icónicas como ESTA deve ter a noção de que elas são SEMPRE muito caras e restritivas – e nestes casos a regra habitual é: quanto mais célebre for uma música, menor é a sua disponibilidade para projectos cinematográficos de menor tamanho e que não as podem pagar. O modelo de negócio da indústria musical não assenta na caridade.

5 – Quantas utilizações? A aquisição de direitos especifica o número de utilizações. Teoricamente cada utilização tem o seu preço. Adquirir ESTE Master para um filme não significa poder utilizá-lo três vezes no trailer pelo mesmo preço. O produtor deve sempre perceber que direitos específicos está a adquirir.

6 – Os direitos em causa incluem quantos países, quais suportes e durante quanto tempo? Quando se adquire direitos, é fundamental ter uma ideia clara acerca de onde o filme será exibido, em quais suportes será comercializado e durante quanto tempo ele estará em comercialização. A questão muitas vezes é decisiva na hora de calcular o preço. Adquirir direitos musicais apenas para Portugal pode ser mais barato. No entanto, isto significa que o projecto não poderá ser comercializado (com aquela música) noutros mercados. Adquirir os mesmos direitos durante apenas dois anos também pode ser mais barato. Mas ao fim deste tempo, se a vida comercial do projecto for mais longa, lá teremos de voltar a pagar. E que suportes/janelas de comercialização estão incluídos?  ESTE filme foi lançado em 1985, altura em que o VHS reinava supremo.🙂 O seu lançamento em DVD foi atrasado durante anos até os produtores conseguirem renegociar cada uma das licenças especificamente para DVD (coisa que não estava prevista no contrato original). Mais: como alguns donos dos direitos pediram demasiado dinheiro (o filme em causa já é um clássico), os produtores foram forçados a lançar o DVD com outras músicas no lugar das originais. SACRILÉGIO! Parece estranho? Não é. ESTA célebre série norte-americana, também dos anos oitenta foi pioneira na utilização de grandes clássicos da soul nos seus episódios. Para o lançamento em DVD, cada licença teve de ser renegociada – cada canção em cada episódio em cada uma das cinco seasons. Uma pipa de ma$$a!😛

A música pode conferir mediocridade a um filme ou ser crucial no seu sucesso. Tamanha importância só tem paralelo na complexidade das decisões que ela PODE implicar. Um produtor deve analisar esta questão com muita atenção.🙂

Etiquetas: , , ,

2 Respostas to “Música para cinema: o que um produtor deve saber.”

  1. Malu Says:

    E Qual o procedimento para encontrar o Publisher ?

    • Bad Behavior Says:

      Olá, Malu:

      Não costuma ser difícil encontrar o Publisher. Muitas vezes ele vem citado nos booklets dos CDs ou no próprio disco. Normalmente algo como “all songs published by XYZ” ou música a música, quando elas possuem um Publisher diferente. Procure pelo símbolo (P) ou pelo símbolo “P” dentro de um círculo – que costumam indicar o Publisher. Se não vier no CD, em princípio você pode também encontrar essa informação no website oficial do artista. Outra forma é perguntar directamente na gravadora – esta saberá sempre. Você poderá contactar a gravadora no seu país ou (se ela for estrangeira) noutro. Pode levar algum tempo, mas você irá encontrar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: